sexta-feira, 12 de novembro de 2010

"Dolce far niente"


Bem, a partir de hoje estou de férias, “entonces”, resolvi escrever sobre uma expressão bem interessante que aprendi no filme: “Comer, rezar e amar” – “dolce far niente”. Quero aplicá-la na minha semaninha de férias. Os italianos têm a expressão "dolce far niente" como “suave indolência” ou o “doce fazer nada”. Parece que temos mesmo vergonha de dar uma parada, não é? Pois é, já houve um dia que me senti culpada por estar fazendo nada nas minhas férias.

Quando damos a nós mesmos este pequeno luxo de tirar alguns dias, para não fazer “nada” ou quase nada, ou pelo menos não fazer nada por outras pessoas, pelo emprego, pela sociedade, mas somente para nós mesmos, como tomar um banho demorado, ler aquele livro que está há anos na estante, assistir a um filme, pensar, dormir em plena luz do dia, tomar sol, ir ao shopping em plena tarde no meio da semana, ver e sentir a alegria de cheiros, sabores e cores que vem dos cafés, sorveterias e lanchonetes da praça de alimentação, acabamos nos admirando e assimilando como são bons estes momentos de dolce far niente, carpe diem ou preguiça mesmo.


Então, descobrimos que esta contemplação faz bem, que com ela somos renovados e assim tocamos a vida em frente com alegria e leveza. Acho que é isso, o dolce far niente é ignorar e-mails, relógios, olhar para o teto, suspirar e pensar, de forma alegre, que ainda resta um tempo gostoso para não fazer nada!

(Fabiana Carvalho)

3 comentários:

  1. O ócio (nada criativo) é, às vezes, necessário!

    ResponderExcluir
  2. Adoro dormir sem ter hora pra acordar e assistir Sessão da Tarde nas férias... hehehe. Bom dolce far niente pra vc!!! Sentirei saudades :)

    ResponderExcluir
  3. Por falar nisso, fiquei sabendo que hoje passou "Ghost" na Sessão da Tarde... hahaha.

    ResponderExcluir